Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Concurso de Poesia 2008/ 2009

 

Foram, finalmente, apurados os vencedores do Concurso de Poesia – modalidade texto.
            Devido à quantidade de trabalhos (241 poemas), vimo-nos obrigados a alterar alguns procedimentos e demorámos, mais do que o previsto, a ler e seleccionar os textos.
            Os poemas apresentam uma qualidade, em muitos casos, bastante idêntica e, por isso, a escolha foi ainda mais difícil.
            Todos os alunos que participaram no concurso estão de parabéns. Devem, pois, continuar a ler, a criar e a divulgar os seus textos. Muitos outros, certamente, se lhes juntarão.
 
            Por último, um agradecimento muito especial às encarregadas de educação Rita Pimenta e Dina Soares, a primeira pela preciosa ajuda que nos deu, enquanto membro do júri, na selecção dos textos, e a segunda por ter partilhado connosco, extraconcurso, alguns dos seus poemas.
 
            Este foi o primeiro concurso de poesia do nosso Agrupamento. Gostaríamos muito que a iniciativa se repetisse nos próximos anos. Contaremos, como sempre, com a colaboração de todos.
 
            Atribuição de prémios:
 
            4º ano – Natureza
            1º lugar – A Natureza, Estrela-do-Mar (Rita Moura Cunha)
            2º lugar – A Natureza, Escorpião Andante (Nuno Miguel Luís)
 
            4º ano – Tema livre
            1º lugar – Pensamento, Concha Dourada (Gonçalo Borrego)
            2º lugar – O que Faço com as Minhas Mãos, Debinha (Ana Rita de Góis)
 
            2º Ciclo – Natureza
            1º lugar – Momentos Mágicos, Bá (Bárbara Teixeira Neves)
            2º lugar – A Natureza, Kokas (Mariana Martins)
 
            2º Ciclo – Tema livre
            1º lugar – Na Caixa dos Lápis, Filipintas (Filipe Quintas)
            2º lugar – A Minha Gata Princesinha, Rosa Espinhosa (Joana Marques Santos)
 
            3º Ciclo – Tema livre
            A Amizade, Meggi (Tatiana Vicente Moura)
 
           
 
4º ano – Natureza
 
           A Natureza
 
A natureza é a nossa vida,
é a liberdade!
Ela é nossa amiga,
Enche-nos de vontade!
 
A natureza é perfumada,
é bela
como uma flor verde ou amarela.
 
A natureza é a vida,
dentro de mim e de ti.
 
 
Estrela-do-Mar
 
 
 
          A Natureza
 
Oiço chamar…
O que se passa então?
É a natureza
Que quer salvação!
 
Está-me a chamar…
Está-me a puxar…
O que se passa então?
É a poluição!
 
A natureza ficou sem cor,
O verde já não aparece…
O que se passa com a natureza?
Não cresce, não floresce…
 
Uma flor sem cor,
Um mundo para ajudar!
Vou acabar com a dor
E a natureza salvar!
 
 
Escorpião Andante
 
 
 
4º ano – Tema livre
 
            Pensamento
 
O pensamento é verdade
E é mentira…
O pensamento
É o que ninguém me tira.
 
Nós pensamos
Com a cabeça e com o coração,
É do pensamento
Que sai a razão.
 
A alma do pensamento
É a alegria,
A alegria é a terça parte
Da fantasia.
 
Concha Dourada
 
 
O que eu faço com as minhas mãos
 
 
Para fazer um poema
A cabeça vai pensar
Mas para o escrever
As mãos me vão ajudar.
 
Para saudar uma pessoa
Um abraço lhe vou dar
Mas com a minha mão
Eu a vou cumprimentar.
 
Antes das refeições
As mãos devemos lavar
Com água e sabonete
Para ficarem a brilhar.
 
A linguagem gestual
Põe as mãos a mexer
Para os que não ouvem
Conseguirem perceber.
 
Para jogar no computador
As minhas mãos vou utilizar
P’ra mudar de canal
Também as vou usar.
 
Por causa deste poema
Minha avó estou a irritar
E ela já me disse que
Com as mãos eu vou levar.
 
E agora
Com o poema a acabar
Como tive muito trabalho
As minhas mãos vão descansar.
 
Debinha
 
 
2º ciclo – A Natureza
 
 
      Momentos mágicos
 
Nas cores do arco-íris
eu quero escorregar,
nas cores do arco-íris
eu quero navegar,
nadar no mar azul,
colher estrelas-do-mar,
em cavalos-marinhos montar
e ao pé das gaivotas voar.
Ser um pirata no infinito oceano,
saltar sobre as águas vivas,
montar o cavalo lusitano,
brincar às escondidas,
com a companhia dos peixes.
Conhecer os mistérios do mar
e com tudo isto
viver mágicos momentos.
 
 
 
 
             A Natureza
 
Acordei, parei para pensar
E suspirei.
Será que foi esta
A Natureza que pintei?
 
Uma Natureza colorida em que
As flores enfeitavam o jardim,
Os animais eram livres e felizes
E a água corria nos rios sem princípio nem fim.
 
As pessoas eram
Meigas e honestas,
Esboçavam um sorriso
E eram modestas!
 
Mas agora o Mundo
Está pintado numa tela a negro,
Com guerra, poluição,
Tristeza e desemprego.
 
Vivemos num Mundo
Muito barulhento
Ouço buzinas, gritos de raiva,
Que é um tormento!
 
Vamos colorir o Mundo,
Com cores vivas e harmonia.
Deixemo-nos de tristeza
E passemos à alegria.
 
À noite deito-me
A pensar…
Será que amanhã
O mundo vai mudar?
 
Kokas
 
 
2º Ciclo – Tema livre
 
        Na caixa de lápis
 
Estavam numa caixa,
Quatro lápis a falar:
Um verde, um azul,
Um amarelo e um vermelho,
Que não se queriam calar.
 
O azul todo pomposo,
O céu e o mar queria pintar.
E o verde, para não ficar atrás,
Das árvores e do campo ia tratar.
 
O vermelho, armado em vaidoso,
Papoilas queria desenhar.
E o amarelo para terminar,
O céu queria decorar
Com estrelas a brilhar.
 
Assim, naquela conversa
Um desenho foi criado.
Não, não foi no papel,
Foi por eles imaginado.
 
Filipintas
 
 
    A minha gata Princesinha
 
No Verão do ano passado,
de férias na Quintinha,
que grande alegria tive
quando encontrei uma gatinha.
 
De pêlo preto e olhos verdes,
é uma autêntica beleza,
e por isso decidi
dar-lhe o nome de Princesa.
 
Como ainda é pequena,
e também muito meiguinha,
às vezes também a chamo
de linda Princesinha.
 
Gosta de perseguir insectos,
o que me faz sempre rir,
mas a grande parte do tempo
passa deitada a dormir.
 
Às vezes parece um leopardo
que se prepara para atacar,
mas não passa de patetice,
pois só quer brincar.
 
Gosta muito de festinhas
que a fazem ronronar,
mas também faz miau miau
se a atenção quer chamar.
 
Os seus olhos são esmeraldas
e ao olharem para mim,
fazem o meu coração cantar
numa alegria sem fim.
 
Rosa Espinhosa
 
 
                   A amizade
 
Amizade, sentimento forte e terno
Raro e difícil de encontrar
Desaparece por vezes como o Inverno
E demora algum tempo, mas torna a voltar.
 
É como uma andorinha alegre
Que o ninho forte constrói
O vento acaricia-o ao de leve
E a tempestade não destrói.
 
O amigo é como um guardião:
Nas necessidades está presente
Não nos deixa na solidão
Faz tudo para me ver contente.
 
Ser amigo é ser fiel
É dar a mão quando é preciso
Enfrentar o mundo cruel
E transformá-lo num sorriso.
 
Meggi
 
 
 
 
Extraconcurso
 
       Asas de chumbo
 
Chiuuu…
Não fales
Não contes
Não respires
Não sintas dor
Ouve sem dor
Ouve sem escutar
E sorri
Não exibas tristezas
Deixa-te levar pelo frio
Pelo gelo da felicidade
 
Não peças ajuda
Continua
Inteiramente imóvel
Funde essas asas de chumbo
Dilacerantes
Que te trucidam a carne
E trituram o crânio
Todos os segundos
Sempre
 
Sofre no silêncio ignóbil
Funde-te no canto negro
Que te chama constantemente
Abafa a dor nesse canto
Arranca-a
Ou
Espera incansável
Eternamente
Por quem te ama.
 
 
Dina Soares
publicado por CREeb23bocage às 21:25

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Geometria dos Afectos - Parte 2

 

Ao longo do ano lectivo as turmas de oitavo ano de Oficina de Artes desenvolveram trabalhos de exploração da cor, forma, texturas e degradee. Utilizaram as tintas acrílicas sobre tela.

Em simultâneo aderiram ao projecto da Saúde com o tema «Afectos». As telas expostas apresentam em pequenos apontamentos, situações de envolvimento entre pessoas, reflexo de vários sentimentos.

A presente exposição é uma mostra dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos durante o segundo semestre. Em Fevereiro esteve patente a primeira parte da exposição com trabalhos dos alunos que assistiram às aulas do primeiro semestre.

 

Profª Paula Abreu

 

 

 

 

 

publicado por CREeb23bocage às 23:49

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Maio de 2009

Encontro com José Fanha

Integrado nas comemorações dos 35 anos do 25 de Abril e dos 10 anos da nossa biblioteca, promoveu a BE/CRE, com a colaboração (e participação) da Escola dos Arcos e do Departamento de Língua Portuguesa um encontro com José Fanha, um homem de sete instrumentos, que veio partilhar connosco, no passado dia 27 de Abril,  poemas, histórias inventadas e histórias da sua vida. Alunos do 1º e 2º ciclos puderam usufruir da companhia deste grande comunicador, tendo-nos sido enviados diversos comentários que passamos, em conjunto com algumas fotografias, a divulgar.

 

 

 

            No dia 27 de Abril, o autor e declamador José Fanha veio à nossa Escola conversar connosco e com outros colegas.

            Gostei muito de o ouvir declamar vários poemas, contar histórias, principalmente uma que se chamava “A mulher esqueleto”.

Nas aulas de Língua Portuguesa preparámos o encontro, mas não tivemos oportunidade de lhe colocar todas as questões.

No final, consegui que ele me desse um autógrafo.

Gostei bastante desta actividade!

 

Rita Prates, nº 27, 5º 10ª

 

 

Eu achei José Fanha um óptimo declamador.

Ficámos impressionados quando ele nos disse que só ligava o computador no fim-de-semana.

Lamento apenas não termos tido oportunidade de fazer mais perguntas.

 

João Jardim, nº 14, 5º 10ª

 

Quando entrei no Auditório, disse para os meus botões: “Isto vai ser uma seca!”

            Pouco depois, verifiquei que me tinha enganado: José Fanha era, afinal, muito divertido!

            Ele declamou vários poemas (uns atrás dos outros, com um ritmo espectacular) e contou-nos duas histórias: uma era real, sobre a sua própria vida, e outra era uma espécie de lenda.

            Gostei de saber que tem o hábito de ligar a televisão e o computador só ao fim-de-semana e que, durante a semana, jogam o Uno e outros jogos de mesa.

            Também gostei bastante da história, “A mulher esqueleto”, que falava de uma menina muito bela que foi atirada, pelo seu pai, ao mar. Certo dia, um pescador encontrou-a e trocaram os corações. O homem acabou por se apaixonar pela bela donzela.

 

Ângela Cruz, 5º 7ª

 

José Fanha contou-nos que tem 58 anos e que quer ter dezassete ocupações, uma delas ser palhaço.

            Depois, declamou poemas e contou muitas histórias.

            Nós fizemos algumas perguntas, mas não conseguimos fazer todas as que tínhamos preparado nas aulas.

 

Gustavo Araújo, 5º 10ª

 

José Fanha contou-nos um pouco da sua vida, contou-nos várias histórias e declamou alguns poemas.

            Achei curioso e apreciei o facto de ter decidido adoptar duas crianças, o que significa que gosta de ajudar os outros e não é egoísta.

            Achei engraçada a história de “terror”, “A mulher esqueleto”.

            O que me deixou um pouco triste foi o facto de não ter havido tempo para lhe fazer mais perguntas.

 

Miguel Ramos, 5º 7ª

 

José Fanha é uma pessoa muito divertida e um bom contador de histórias. Quando começou a declamar em “rap”, os alunos endireitaram-se nas cadeiras e ouviram-no, entusiasmados.

 

 

José Fanha é um grande admirador de Zeca Afonso, com quem gostou de conviver.

 

Inês Gomes, 5º 7ª

 

 

            Eu gostei do encontro com José Fanha, gostei bastante de o conhecer. Ele disse poemas de vários autores, contou-nos histórias e também nos falou um pouco da sua vida, do que faz em casa, o que tornou a conversa muito animada.

            José Fanha também deu um conselho àqueles que não gostam de ler (tal como a nossa professora já tinha feito): “Experimentem ler em voz alta e não se preocupem muito com o significado de todas as palavras, mas sim com o sentido da frase!”

            Eu gostei deste encontro e acho que devia haver mais encontros com outros escritores.

 

 

Eunice, 5º 7ª

 

Nós preparámos muito bem o encontro com José Fanha e escolhemos as perguntas que lhe queríamos fazer.

            Mais tarde, dirigimo-nos ao Auditório e ficámos a conhecê-lo melhor.

            Gostei muito da história, “A mulher esqueleto”.

 

João Rocha, 5º 10ª

 

 

Achei José Fanha uma pessoa muito interessante e culta.

            Quando começou a conversar connosco fiquei muito atenta, na expectativa de descobrir as histórias fascinantes que ele tinha para nos contar.

            Aprendi que as novas tecnologias são muito importantes na nossa vida, mas a leitura ainda o é mais.

 

Maria Rita Fernandes, 5º 10ª

 

José Fanha foi espectacular: divertido, bom declamador e um excelente contador de histórias.

            Gostei muito de o ouvir contar a história “A mulher esqueleto”:

 

            Um senhor tinha uma filha muito bonita.

            Certo dia, pegou-lhe nos cabelos, enrolou-os na sua mão e atirou-a ao mar.

            A bela donzela afogou-se e transformou-se num esqueleto.

            Algum tempo depois, um pescador lançou o anzol e este ficou preso no esqueleto.

            Ao puxar o anzol, ficou tão assustado com o que estava a ver, que fugiu a sete pés para casa, apagou a luz e adormeceu.

            Quando acordou, viu o esqueleto e, com o susto, desmaiou.

            Nessa altura, o esqueleto ganhou vida, tirou o coração do homem, esfregou-o nos seus ossos e, de imediato, ganhou pele. Em seguida, tirou o seu coração e trocou-o com o do homem.

            Quando o pescador ganhou, de novo, consciência,  apaixonou-se pela bonita mulher que tinha à sua frente, casou com ela e viveram felizes para sempre.

 

 

João Paulo, 5º 7ª

 

 

publicado por CREeb23bocage às 00:17

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Maio de 2009

O Prazer de Ler - Concurso de Fotografia

Em parceria com as disciplinas de EV/EVT, foi promovido pela BE/CRE, ao longo do 2º Período, o Concurso de Fotografia subordinado ao tema "O Prazer de Ler". Esta actividade culminou com uma exposição de todos os trabalhos entregues. Foram premiadas as fotografias que se seguem.

 

 

              1º Prémio, Ana Correia, 9º A

 

 

              2º Prémio, Marta Encarnação, 9º A

 

 

              3º Prémio, Ana Ramirez, 9º A

 

publicado por CREeb23bocage às 00:12

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Maio de 2009

Concurso de Logótipo para a BE/CRE

Estão encontrados os três premiados do concurso de logótipo para a BE/CRE. São eles, a Inês Cardoso, do 8º B (1º prémio); o João Agostinho, do 8º B (2º prémio) e o Nuno Marques, também do 8º B (3º prémio). Em baixo figuram as imagens dos três logótipos premiados.

 

                                                                                                                 1º Prémio

 

 

 

                                                                                                  2º Prémio

                                                                                                3º Prémio

 

publicado por CREeb23bocage às 00:08

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Novo endereço do blogue

. Recital de Poesia 2010

. Concurso de Ortografia 20...

. Recital de Poesia 2010

. Ainda a Semana da Leitura

. Semana da Europa

. Semana da Leitura - Bocag...

. A Semana da Leitura també...

.arquivos

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Ligações úteis

.Contacto

becre.eb23bocage@gmail.com

.Visitas

desde 2008/10/02