Domingo, 14 de Fevereiro de 2010

Poemas de amor

 

                             Poema de Amor
 
                                    Enquanto não superarmos
                                    a ânsia do amor sem limites,
                                    não podemos crescer
                                    emocionalmente.

                                    Enquanto não atravessarmos
                                    a dor de nossa própria solidão,
                                    continuaremos
                                    a nos buscar em outras metades.
                                    Para viver a dois, antes, é
                                    necessário ser um.
 
                        Fernando Pessoa
                                Pesquisa realizada por Inês Gomes, 6º 7ª
 Quantas vezes, Amor, me tens ferido?
 
 
Quantas vezes, Amor, me tens ferido?
Quantas vezes, Razão, me tens curado?
Quão fácil de um estado a outro estado
O mortal sem querer é conduzido!
 
Tal, que em grau venerando, alto e luzido,
Como que até regia a mão do fado,
Onde o Sol, bem de todos, lhe é vedado,
Depois com ferros vis se vê cingido:
 
Para que o nosso orgulho as asas corte,
Que variedade inclui esta medida,
Este intervalo da existência à morte!
 
Travam-se gosto, e dor; sossego e lida;
É lei da natureza, é lei da sorte,
Que seja o mal e o bem matiz da vida.
 
                                                            Soneto de Bocage
 
                                          Pesquisa, 6º 7ª
Amor que morre

 

O nosso amor morreu... Quem o diria?
Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta,
Ceguinha de te ver, sem ver a conta
Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria...
E outro clarão, ao longe, já desponta!
Um engano que morre... e logo aponta
A luz doutra miragem fugidia...

Eu bem sei, meu Amor, que pra viver
São precisos amores, pra morrer,
E são precisos sonhos pra partir.

E bem sei, meu Amor, que era preciso
Fazer do amor que parte o claro riso
De que outro amor impossível que há-de vir!
 
                Florbela Espanca
               Pesquisa realizada por Miguel Ramos, 6º 7ª
 
 
Amar
 
Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!
 
Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!
 
Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!
 
E se um dia hei-se ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...
 
Florbela Espanca, Charneca em Flor (1930)
 
Pesquisa realizada por Miguel Ramos (6º 7ª) e Inês Morujão (6º 10ª)
 

 

                            Amor que morre
 
 
                                         O nosso amor morreu... Quem o diria?
                                         Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta,
                                         Ceguinha de te ver, sem ver a conta
                                         Do tempo que passava, que fugia!

                                         Bem estava a sentir que ele morria...
                                         E outro clarão, ao longe, já desponta!
                                         Um engano que morre... e logo aponta
                                         A luz doutra miragem fugidia...

                                         Eu bem sei, meu Amor, que pra viver
                                        São precisos amores, pra morrer,
                                         E são precisos sonhos pra partir.

                                         E bem sei, meu Amor, que era preciso
                                         Fazer do amor que parte o claro riso
                                        De que outro amor impossível que há-de vir!
 
                                        Florbela Espanca
                                        Pesquisa realizada por Miguel Ramos (6º 7ª)
publicado por CREeb23bocage às 22:34

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre nós

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Novo endereço do blogue

. Recital de Poesia 2010

. Concurso de Ortografia 20...

. Recital de Poesia 2010

. Ainda a Semana da Leitura

. Semana da Europa

. Semana da Leitura - Bocag...

. A Semana da Leitura també...

.arquivos

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Ligações úteis

.Contacto

becre.eb23bocage@gmail.com

.Visitas

desde 2008/10/02